Delivery de cestas vira alternativa em Santa Rosa de Lima

Emicida dá aula sobre racismo, machismo e violência no Faustão: ‘Muitas mulheres estão trancadas em casa com os agressores’
15 de junho de 2020
Há 70 anos Maracanã é palco de glórias e tragédias dos times do Rio
15 de junho de 2020

Com a crise gerada pela pandemia do coronavírus, um dos setores econômicos mais atingidos em Santa Rosa de Lima foi o do turismo. A cidade, que detém o título de Capital Catarinense de Agroecologia e é destaque nacional no agroturismo, teve suas pousadas e outros empreendimentos impossibilitados de receberem turistas, comprometendo, assim, a renda de muitas famílias.

Mas, como se costuma afirmar, momentos de crise podem ser também momentos de oportunidades. Foi assim que um grupo de filiados à associação de agroturismo Acolhida na Colônia, de uma forma criativa e cooperada, buscou amenizar o impacto da crise e, em vez de recepcionar os visitantes para apreciarem a gastronomia colonial, resolveram levar um poucos dos sabores locais até os turistas.

A solução surgiu por meio de entrega em domicílio, o já conhecido delivery de cestas com alimentos orgânicos especiais. A inovação tem contribuído para garantir o sustento de famílias agricultoras que operam o turismo na Região das Encostas da Serra Geral.

“A ideia surgiu durante uma reunião on-line entre associados da Acolhida na Colônia. O turismo que costumamos oferecer é diferenciado. É comum os turistas, quando voltam para casa, levarem algum item alimentício produzido por nós. Então, por conta da quarentena, pensamos: já que os turistas não podem vir até nós, podemos levar um pouco dos nossos atrativos até eles”, conta Leandro Assing, da pousada Chalés Assing, um dos encarregados de organizar a montagem das cestas.

Os produtos são variados, mas possuem alguns aspectos em comum importantes: são todos orgânicos certificados, oriundos exclusivamente da agricultura familiar. São geleias, pães, bolachas, banha, açúcar demerara, melado e outros.

“Os itens das cestas variam conforme a disponibilidade. Os clientes são basicamente da região da Grande Florianópolis, por conta da logística e por ser onde há a maior demanda”, explica Leandro.

O morador da cidade explica ainda que ele e outros associados à Acolhida na Colônia de Santa Rosa de Lima e de Anitápolis, elaboram a cada 15 dias uma lista com os produtos disponíveis para a cesta e divulgam aos potenciais clientes.

Inovação

Um dos itens que costuma fazer parte das cestas tem se tornado um case de sucesso. Trata-se do molho de pimenta da Bibi, criado a partir da receita da irmã de Leandro, Leonize Assing, a Bibi, e de sua amiga Andréa Castelo Branco. “É um produto inovador, pois não é tradicional da região. É algo diferenciado e tem dado muito certo. Está sendo um sucesso”, diz Leandro.

Fonte: Diário do Sul

Posts Relacionados

Guilherme
Guilherme
Comunicador e Produtor do Programa Hora H e H News.

Os comentários estão encerrados.